Eu seria uma paineira,

 

Debita carminibus libertas

Os poemas têm direito à liberdade. (Virgílio, Aetna 91)

 

Eu seria uma paineira, se para tanto, o direito de escolha que não tive, sob minhas mãos, estivera... Se assim fosse, ou se diferente pudesse ser, eu diria:

Sou uma Chorisia speciosa, uma grande árvore que muitos espinhos tem!

Ainda que eu seja de família nobre, nobre madeira, não forneço, pois quem o faz, só consegue fazê-lo, após, ter o corpo coberto de rosas.

 

Por mais altiva que eu seja, temo o vento, e devoto-lhe apreço; pois, é por ele, para que eu me perpetue, que são conduzidas as minhas sementes, envoltas em leves e sedosas plumas.

 

De pungentes acúleos, guarnecidos meus galhos e espesso tronco, estão; meus brotos abundantes e volumosos são frágeis; fracos não podem ser, pois, faltos de seiva, não foram.

 

Elevado porte, alcancei, chegando à altura dos mais altos capitéis. Assim, por elaborada conveniência, meus ramos, quase que além dos céus, cresceram.

 

De grandes flores, se compõem as minhas inflorescências. Meus frutos generosos, em número e tamanho, fornecem paina em quantidade; paina leve para travesseiros, que aos sonhos de suaves essências, induzem.

 

Vêm aprazíveis sonhos, só de travesseiros de paina, por suas singulares propriedades? Ou até sobre pedras, apoiando-se bem a cabeça, ou antes, a consciência, pode-se obter sonhos dignos das deidades?

 

A repousar em minha frondosa copa, beija-flores e abelhas, acolho; pois são entes leves e delicados que em perfeita simbiose, convivem entre si. Logo, por estratégia calculada, que alcancem os meus ramos, outros convidados não há, pois se tentassem  fazê-lo, logo, fustigados notariam nos meus acúleos, seguro ferrolho!

 

Ainda das minhas flores, o perfume, há de chamar muita atenção; mas, a de alguns humanos, não desejo atrair, pois sob a minha sombra, acomodados, a me trair, jamais hão de ficar! A ser assim, só bem do alto, e a distância maior, tolero vê-los passar.

 

Finalmente, que as nossas fotos, a de Elias Garrett e a minha, trocadas fiquem, pois, em comum, muito temos, logo, a minha fotografia, no lugar da dele, há de ficar.

 

Chorisia speciosa - É uma grande árvore da família das bombacáceas, peculiar às matas nossas; provida de grandes acúleos no grosso tronco, folhas digitadas e enormes flores róseas, altamente ornamentais, e cujos frutos fornecem a paina. Além de receber o nome vulgar de Paineira o que lhe é mais comum, recebe também os de Paina-de-seda e Barriguda.

 

 

PS - Fico-lhe muito obrigado pela sua visita. Se ler mais, ainda que seja por acaso, caso a menos, não farei da sua atenção.


Adicionar comentário

Código de segurança
Atualizar